©Fredrik Erlandsson/ Human Interactions on Online Social Media

Há uma necessidade de reimaginar o desenvolvimento para o século XXI. Estamos perante um novo conjunto de desafios sociais, económicos e ambientais que mudam e avançam mais rapidamente do que nunca. Com 90 laboratórios abrangendo 114 países, o PNUD está a criar a maior e mais rápida rede mundial de aprendizagem sobre os desafios do desenvolvimento sustentável. Nos últimos meses temos vivido exactamente isso, fazendo parte de uma rede - um ecossistema de inovação onde o todo é maior do que a soma das suas partes.

O primeiro encontro com a rede

As últimas semanas têm estado ocupadas para o AccLab Guiné-Bissau. Depois de terminarmos o acampamento, começámos imediatamente a trabalhar no sentido de lançar a iniciativa. Tem sido uma viagem dinâmica onde interagimos em micro escala, com os nossos novos colegas do PNUD, mas também com uma série de comunidades nacionais de inovação de base. Ao mesmo tempo, o pré-lançamento deu-nos incentivo para chegarmos aos nossos colegas e a outras equipas de Laboratório espalhadas pelo mundo, e pudemos experimentar a escala macro da rede com o forte entusiasmo de apoiar, partilhar e reflectir constantemente.

Espalhar a palavra sobre o AccLab Guiné-Bissau e o próximo evento de lançamento tornou-se uma oportunidade para reuniões pessoais, discussões intermináveis e vislumbres de sinergias e colaborações. A dinâmica que se construiu, transformou-se em dois workshops de partes interessadas, um workshop físico e um workshop virtual - pois compreendemos que a importância das partes interessadas não é apenas a nível local.

Pré-lançamento; Workshop físicos para parceiros, abertura feita pela Sra. Embaixatriz, Shirley Carvalhêdo Franco e Representante Residente do PNUD, Tjark Egenhoff.

O workshop físico de parceiros

O workshop físico de parceiros teve lugar no dia 25 de Novembro de 2020 no Centro Cultural Brasil Guiné-Bissau com um número limitado de participantes devido às restrições da COVID-19. A Embaixatriz Shirley Carvalhêdo Franco, fez uma abertura do evento, seguida por Tjark Egenhoff, Representante Residente do PNUD Guiné-Bissau, que mergulhou nos antecedentes da rede global de laboratórios e porque há uma necessidade urgente de repensar o desenvolvimento para o século XXI. Isto foi continuado por uma apresentação informativa da equipa AccLab Guiné-Bissau onde foi discutido o desafio da fronteira, que é "a falta de serviços básicos e de qualidade", entre outros aspectos práticos tambem foram discutidos.


O desafio da fronteira

Então o que queremos dizer quando falamos de "serviços públicos básicos" no contexto da Guiné-Bissau? Definimos serviços públicos como "todos os serviços prestados pelas autoridades públicas a fim de satisfazer as necessidades da sociedade", no entanto, este compromisso pode ser subcontratado a organizações privadas.  Algumas das áreas que mais carecem de serviços na Guiné-Bissau são a saúde, transportes, educação, saneamento básico, energia, gestão de resíduos e infra-estruturas.

Pré-lançamento; Workshop físicos de parceiros, discussão e interacção com os participantes

As possíveis causas profundas do desafio são a fragilidade endémica do Estado que conduziu a um sistema político e de governação instável, levando à incapacidade do Estado em fornecer serviços básicos, levando a uma administração pública não monitorizada e à falta de infra-estruturas, levando a um ciclo vicioso da incapacidade do Estado de fornecer as necessidades básicas a população. Na Guiné-Bissau é comum ouvir queixas sobre cuidados em hospitais ou qualquer outra agência pública, também não existe registo civil funcional, longas filas de espera, burocracia excessiva e má qualidade dos serviços prestados têm impedido um número considerável da população de fazer pleno uso do serviço público, estas são apenas algumas das provas de que se trata de um importante desafio para o país. Os mais afectados por esta fragilidade são as comunidades rurais, as mulheres e as crianças.

A apresentação evoluiu para um workshop e discussão dinâmicos, em que os diferentes intervenientes interagiram entre si. A estrutura do workshop foi baseada em ferramentas obtidas no campo de treino, modificadas para se adequarem ao nosso contexto, por ex. "O radar do presente" e "O radar do futuro", o que nos permitiu fazer um brainstorming e discutir soluções existentes e possíveis para o desafio da fronteira.

O workshop contou com a participação de inovadores locais, instituições públicas, instituições de base, sociedade civil e outros parceiros invulgares que vivem mais perto os desafios que enfrentamos. A dinâmica do grupo levou a percepções colectivas sobre formas interessantes das quais as pessoas já estão a enfrentar os seus desafios diários, bem como ideias de como melhorar e criar soluções para o futuro.

Workshop físicos de parceiros; "O Radar do Presente"

O workshop virtual de parceiros

O workshop virtual de parceiros foi estruturado de forma equitativa e contou com a participação das organizações da diáspora, organizações civis internacionais, agências da ONU, centros de inovação, potenciais parceiros futuros, entre outros. Os nossos colegas do PNUD, bem como as redes sociais, o LinkedIn e o Twitter desempenharam um papel crucial na aproximação e ligação com parceiros invulgares. Tivemos muita sorte em ter o AccLab Angola presente, partilhando a sua experiência do seu primeiro ano de trabalho como um exemplo de como o laboratório pode parecer quando está em acção, em oposição à nossa apresentação com foco no que pretendemos fazer. A parte interactiva foi feita através da aplicação online Mural, mais uma ferramenta que se tornou acessível para nós durante o bootcamp, o que nos permitiu reunir os nossos pensamentos e reflectir colectivamente sobre eles.

Imagem do workshop virtual de intervenientes, participantes a colaborar na Mural.

Estamos apenas no início da nossa viagem, mas já é claro para nós que fazemos parte de uma rede global e de um ecossistema à escala micro e macro, onde o todo é maior do que a soma das suas partes. Temos vindo a estender a mão a outras equipas de laboratório em todo o mundo e temos sido recebidos com um entusiasmo e apoio sem fim de partilhar recursos, pensamentos e informação, e os muitos encontros com as partes interessadas, inovadores locais e possíveis parceiros têm-nos ajudado a compreender melhor como podemos trabalhar e pensar em torno dos desafios que enfrentamos. O AccLab GW não pôde trabalhar com sucesso como um único agente de mudança. Para podermos enfrentar os desafios que enfrentamos, precisamos de dar e receber constantemente da rede nacional e global da qual fazemos parte.

Icon of SDG 17

PNUD PNUD no mundo

A

Afghanistan Afrique du sud Albanie Algérie Angola Arabie saoudite Argentine Arménie Azerbaïdjan

B

Bahreïn Bangladesh Barbade Bélarus Bélize Bénin Bhoutan Bolivie Bosnie-Herzégovine Botswana Brésil Bureau du Pacifique Burkina Faso Burundi

C

Cambodge Cameroun Cap-Vert Centrafrique (République centrafricaine) Chili Chine Chypre Colombie Comores Congo (République démocratique du) Congo (République du) Corée (République populaire démocratique de) Costa Rica Côte d'Ivoire Croatie Cuba

D

Djibouti

E

Egypte El Salvador Emirats arabes unis Equateur Erythrée Ethiopie

G

Gabon Gambie Géorgie Ghana Guatemala Guinée Guinée-Bissau Guinée équatoriale Guyane

H

Haïti Honduras

I

Ile Maurice et Seychelles Inde Indonésie Irak (République d') Iran

J

Jamaïque Jordanie

K

Kazakhstan Kenya Kirghizistan Kosovo (selon RCSNU 1244) Koweït

L

Laos Lesotho Liban Libéria Libye L’Ex-République yougoslave de Macédoine

M

Madagascar Malaisie Malawi Maldives Mali Maroc Mauritanie Mexique Moldova Mongolie Monténégro Mozambique Myanmar

N

Namibie Népal Nicaragua Niger Nigéria

O

Ouganda

P

Pakistan Panama Papouasie-Nouvelle-Guinée Paraguay Pérou Philippines Programme palestinien

R

République dominicaine Russie (Fédération de) Rwanda

S

Samoa São Tomé-et-Principe Sénégal Serbie Sierra Leone Somalie Soudan Soudan du Sud Sri Lanka Suriname Swaziland Syrie

T

Tadjikistan Tanzanie Tchad Thaïlande Timor-Leste Togo Trinité et Tobago Tunisie Turkménistan Turquie

U

Ukraine Uruguay Uzbekistan

V

Venezuela Viet Nam

Y

Yémen

Z

Zambie Zimbabwe