Photo: UNDP LAC/Alexandra Gil


Na sua mensagem, o Administrador Global do PNUD, Achim Steiner frisou que 17 de Maio
“O Dia Internacional Contra Homofobia, Bifobia e Transfobia (IDAHOBIT) é um dia para celebrar a diversidade e aumentar a conscientização sobre os direitos humanos de lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e intersexuais (LGBTIQ +). O tema deste ano, "Quebrando o silêncio", é mais apropriado do que nunca”.

Achim Steiner salientou ainda que as pessoas LGBTIQ + ainda enfrentam sérios desafios em sua vida cotidiana. Com 69 países ainda criminalizando as relações entre pessoas do mesmo sexo, milhões de lésbicas, gays e bissexuais vivem com medo de serem quem são e de mostrar quem amam. Pessoas trans são punidas em pelo menos 26 países e experimentam níveis sem precedentes de violência em todo o mundo”.

Uma característica fundamental da governança inclusiva é a capacidade dos cidadãos de fazerem ouvir suas vozes, o que promove uma maior participação política e cria parcerias entre governos e organizações da sociedade civil. A comunicação de questões de interesse como cidadãos ajuda a melhorar a elaboração de políticas baseadas em evidências que beneficiam todos os membros da sociedade e mostram respeito pela diversidade, direitos humanos e igualdade perante a lei. Com muita frequência, porém, as vozes dos mais vulneráveis ​​não são ouvidas. Este ano, o Dia Internacional contra Homofobia, Transfobia e Bifobia, sob o tema "Quebrando o Silêncio", lembra a todos que as vozes da comunidade LGBTI são rotineiramente excluídas sob um guarda-chuva de indiferença, estigma e discriminação.

A crise global decorrente da pandemia do COVID-19 afeta a comunidade LGBTI de várias maneiras. Em discussões recentes, pessoas LGBTI de todo o mundo destacaram problemas comuns que foram exacerbados durante a pandemia, como assistência médica, tratamento de HIV, abuso de força nas ruas pelas forças de segurança ou a importância do reconhecimento legal da identidade de género, especialmente em casos em que as medidas de quarentena exigem mobilidade com base no sexo registrado em documentos de identidade. As pessoas LGBTI, particularmente os jovens, correm risco de violência quando são obrigadas a confinar em lares que não são seguros para elas, ou geralmente têm dificuldades para acessar medidas de mitigação implementadas pelos governos devido à discriminação e exclusão sofrida por muitos.

O PNUD tem investido em esforços para garantir que, em todas as etapas da resposta à crise no Caribe, as vozes da comunidade LGBTI sejam levadas em consideração. As organizações da sociedade civil são apoiadas ao realizar pesquisas sobre o impacto da pandemia. Resultados irrelevantes mostram que há uma forte demanda por aconselhamento, alimentação e saneamento e apoio na denúncia de crimes durante esse período. As preocupações também incluem que, para muitos na comunidade, o distanciamento físico e o auto-isolamento em espaços seguros é um luxo para muito poucos.

A realidade das pessoas LGBTI é importante em todos os contextos, mas ainda mais durante uma crise que coloca os mais vulneráveis ​​em maior risco. Hoje, mais do que nunca, precisamos ouvir as vozes LGBTI para evitar violações dos direitos humanos, para garantir que medidas de saúde pública para conter a disseminação do coronavírus protejam os direitos de todos. Só então podemos caminhar juntos para criar um novo normal mais inclusivo e igual, para não deixar ninguém para trás.

PNUD PNUD no mundo

A

Afghanistan Afrique du sud Albanie Algérie Angola Arabie saoudite Argentine Arménie Azerbaïdjan

B

Bahreïn Bangladesh Barbade Bélarus Bélize Bénin Bhoutan Bolivie Bosnie-Herzégovine Botswana Brésil Bureau du Pacifique Burkina Faso Burundi

C

Cambodge Cameroun Cap-Vert Centrafrique (République centrafricaine) Chili Chine Chypre Colombie Comores Congo (République démocratique du) Congo (République du) Corée (République populaire démocratique de) Costa Rica Côte d'Ivoire Croatie Cuba

D

Djibouti

E

Egypte El Salvador Emirats arabes unis Equateur Erythrée Ethiopie

G

Gabon Gambie Géorgie Ghana Guatemala Guinée Guinée-Bissau Guinée équatoriale Guyane

H

Haïti Honduras

I

Ile Maurice et Seychelles Inde Indonésie Irak (République d') Iran

J

Jamaïque Jordanie

K

Kazakhstan Kenya Kirghizistan Kosovo (selon RCSNU 1244) Koweït

L

Laos Lesotho Liban Libéria Libye L’Ex-République yougoslave de Macédoine

M

Madagascar Malaisie Malawi Maldives Mali Maroc Mauritanie Mexique Moldova Mongolie Monténégro Mozambique Myanmar

N

Namibie Népal Nicaragua Niger Nigéria

O

Ouganda

P

Pakistan Panama Papouasie-Nouvelle-Guinée Paraguay Pérou Philippines Programme palestinien

R

République dominicaine Russie (Fédération de) Rwanda

S

Samoa São Tomé-et-Principe Sénégal Serbie Sierra Leone Somalie Soudan Soudan du Sud Sri Lanka Suriname Swaziland Syrie

T

Tadjikistan Tanzanie Tchad Thaïlande Timor-Leste Togo Trinité et Tobago Tunisie Turkménistan Turquie

U

Ukraine Uruguay Uzbekistan

V

Venezuela Viet Nam

Y

Yémen

Z

Zambie Zimbabwe