A plataforma Na No Mon criada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), foi lançada oficialmente em outubro do ano passado com o objetivo de apoiar a comunidade local, no sentido de identificar, colaborar e destacar todo o trabalho feito em prol da comunidade guineense. Esta plataforma têm-se demostrado não simplesmente uma excelente ferramenta de comunicação, mas também um verdadeiro "parceiro" junto à comunidade local. Uma das grandes vantagens deste meio de comunicação é facilitar o diálogo, entre a comunidade permitindo unir esforços para criar sinergias e encontrar soluções.  Por isso, o PNUD juntamente com os seus parceiros, têm apoiado ações que visam o desenvolvimento neste sentido.

Desde a sua criação, a plataforma tem facilitado o diálogo entre a comunidade, publicado notícias de modo regular, permitindo que as  informações referentes aos trabalhos feitos pelo PNUD e por outras organizações nacionais e internacionais presentes no país, sejam divulgadas. De facto, contabilizando a maior parte dos conteúdos da plataforma  pode-se afirmar que a mesma, conta com um total de 241 conteúdos publicados até agora que se dividem, entre notícias, estudos, inovações e uma lista de informações básicas sobre as   organizações presentes no país.

Outro elemento importante da plataforma que merece ser destacado, é a sala comunitária, visto que os membros, ou seja, pessoas inscritas na plataforma, têm a possibilidade de criar uma sala virtual onde podem agendar eventos, partilhar documentos e marcar reuniões.

Além disso, como parte das ações da plataforma para impulsionar o desenvolvimento local e ajudar na busca de melhores soluções de problemas colocados pela comunidade, o PNUD decidiu convidar todas as organizações e associações, formais e informais, a nível nacional a apresentarem projetos que têm como foco o desenvolvimento comunitário e que tenham presentes as seguintes categorias: Construir comunidades inclusivas e não deixar ninguém para trás; Igualdade de género e empoderamento das mulheres; Promoção de sociedades pacíficas e justas; Construir sociedades e economias resilientes; Criar oportunidades de negócios inclusivas e sustentáveis.

A plataforma Na No Mon criada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), foi lançada oficialmente em outubro do ano passado com o objetivo de apoiar a comunidade local, no sentido de identificar, colaborar e destacar todo o trabalho feito em prol da comunidade guineense. Photo: UNDP 2021

 

De Outubro a Dezembro de 2020, foram recebidos 76 projetos dos quais 10 foram selecionados numa primeira fase após uma análise cuidadosa e uma avaliação liderada pelo Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas, em conjunto com o escritório do Alto Comissariado para COVID-19 e o Fundo Internacional de Emergência das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Os projetos selecionados receberão pequenas subvenções (Small grants) que lhes permitirão por em prática o trabalho pretendido.

Os dez projetos selecionados foram:

  1. Relançamento das atividades econômicas das bideiras afetadas pela pandemia do Covid19
  2. Mercado equipado em Boe Afab
  3. "Nô barsa albinos" - promoção da integração dos albinos na sociedade
  4. Cria Galinha
  5. Suta mindjer kaba dja
  6. Inclusão digital comunitária
  7. Plataforma de viveiros Ajda boe
  8. Projeto de apoio de incentivo para construção
  9. Empoderamento de mulheres plack-1 "No Bai Djunto"10. Cidade de Bissorã limpa - Homem Novo

De acordo com esta lista acima indicada nota-se que as áreas de atuação destes projetos  são completamente diversas, com problemas pontuais onde o trabalho e a determinação serão factores importantes para que sejam considerados projetos "bem sucedidos".  Como foi dito algures por alguém, não é a quantia, a soma implicada no projeto que determina o seu sucesso, mas sim, se os agentes envolvidos em todas as fases do mesmo, entenderam o seu real valor.

Portanto, este instrumento de comunicação oferece a possibilidade de publicar e partilhar informações de várias formas, assim como, de solicitar subvenções para resolver os problemas apontados pela comunidade.

A plataforma Na No Mon sendo algo criado recentemente, ainda tem muito trabalho pela frente, mas o desafio maior prende-se com a responsabilidade de fazer um excelente trabalho para que a comunidade e todos aqueles qua abraçam este projetos possam se identificar.   

nanomon.org estará disponível para receber e partilhar todas as informações, sociais, económicas, culturais e ambientais, relembrando que o principal foco é facilitar o diálogo entre a comunidade e buscar soluções para os diferentes problemas presentes no país.

No entanto, informar a comunidade através das notícias, incentivar projetos, valorizar inovações, partilhar documentos, estudos e relatórios de interesse comunitário, fazem parte das ações da plataforma.

Assim, as organizações da sociedade Civil que pretendem publicar os seus trabalhos ou informar sobre os seus eventos sociais, são convidados a enviarem informações que poderão ser de interesse da comunidade.

Nesta óptica, fica lançado o seguinte convite para todas as organizações que têm como objectivo construir uma sociedade mais justa e sustentável:  

Entra no nanomon.org, explora, contribuía e caminha connosco em prol do desenvolvimento comunitário.

Icon of SDG 17

PNUD PNUD no mundo

A

Afghanistan Afrique du sud Albanie Algérie Angola Arabie saoudite Argentine Arménie Azerbaïdjan

B

Bahreïn Bangladesh Barbade Bélarus Bélize Bénin Bhoutan Bolivie Bosnie-Herzégovine Botswana Brésil Bureau du Pacifique Burkina Faso Burundi

C

Cambodge Cameroun Cap-Vert Centrafrique (République centrafricaine) Chili Chine Chypre Colombie Comores Congo (République démocratique du) Congo (République du) Corée (République populaire démocratique de) Costa Rica Côte d'Ivoire Croatie Cuba

D

Djibouti

E

Egypte El Salvador Emirats arabes unis Equateur Erythrée Ethiopie

G

Gabon Gambie Géorgie Ghana Guatemala Guinée Guinée-Bissau Guinée équatoriale Guyane

H

Haïti Honduras

I

Ile Maurice et Seychelles Inde Indonésie Irak (République d') Iran

J

Jamaïque Jordanie

K

Kazakhstan Kenya Kirghizistan Kosovo (selon RCSNU 1244) Koweït

L

Laos Lesotho Liban Libéria Libye L’Ex-République yougoslave de Macédoine

M

Madagascar Malaisie Malawi Maldives Mali Maroc Mauritanie Mexique Moldova Mongolie Monténégro Mozambique Myanmar

N

Namibie Népal Nicaragua Niger Nigéria

O

Ouganda

P

Pakistan Panama Papouasie-Nouvelle-Guinée Paraguay Pérou Philippines Programme palestinien

R

République dominicaine Russie (Fédération de) Rwanda

S

Samoa São Tomé-et-Principe Sénégal Serbie Sierra Leone Somalie Soudan Soudan du Sud Sri Lanka Suriname Swaziland Syrie

T

Tadjikistan Tanzanie Tchad Thaïlande Timor-Leste Togo Trinité et Tobago Tunisie Turkménistan Turquie

U

Ukraine Uruguay Uzbekistan

V

Venezuela Viet Nam

Y

Yémen

Z

Zambie Zimbabwe