Banner HDR launch

Segundo o relatório, a crise da pandemia do COVID-19 está ligada à pressão implacável que a humanidade está colocando na vida selvagem e no planeta e não deve haver retorno ao "velho normal".

Bissau, 15 de dezembro de 2020 - O ano de 2020 foi devastador para o planeta e para as pessoas. Furacões no Atlântico que quebraram recordes. Grandes incêndios florestais na Austrália, EUA, Sibéria e Brasil. E uma pandemia na qual milhões morreram e muitos milhões mais perderam a chance de trabalhar, estudar ou ver os seus entes queridos.

As luzes de alerta - da natureza e da sociedade - estão piscando em vermelho, de acordo com o novo Relatório de Desenvolvimento Humano 2020 – A próxima fronteira: Desenvolvimento Humano e o Antropoceno, que será lançado mundialmente hoje (15 de dezembro) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Segundo o relatório, a tensão no nosso planeta reflete a tensão enfrentada por muitas das nossas sociedades. A crise da pandemia do COVID-19 mostra tudo muito claramente. O seu surgimento está ligado à pressão implacável que a humanidade está colocando na vida selvagem e no planeta, e isso ameaça reverter o desenvolvimento global pela primeira vez em 30 anos, muitas vezes atingindo as pessoas que mais precisam. Com notícias positivas sobre as vacinas COVID-19, o mundo logo começará a olhar para a superação da pandemia, mas não deve haver retorno ao "velho normal".

Por isso, o estudo apresenta uma escolha decisiva para os líderes mundiais - tomar medidas ousadas para reduzir a imensa pressão que está sendo exercida sobre o meio ambiente e o mundo natural, ou o progresso da humanidade vai parar. “Como mostra este relatório, nenhum país do mundo alcançou ainda um desenvolvimento humano muito alto sem colocar uma pressão imensa no planeta. Mas poderíamos ser a primeira geração a corrigir isso. Essa é a próxima fronteira para o desenvolvimento humano”, afirmou Achim Steiner, Administrador do PNUD.

A região africana é a mais afetada proporcionalmente

Segundo o relatório, desequilíbrios sociais e planetários estão estritamente relacionados, reforçam-se mutuamente e não devem ser resolvidos isoladamente.

Novas estimativas projetam que até 2100 os países mais pobres do mundo poderiam experimentar até mais de 100 dias de condições meteorológicas extremas devido às mudanças climáticas a cada ano - esse número poderia ser reduzido pela metade se o Acordo de Paris sobre mudança climática fosse totalmente implementado.

Em 2020, o continente africano enfrentou grandes inundações e uma infestação de gafanhotos que agravaram a insegurança alimentar; secas e variação climática levam à perda de gado e baixo desempenho reprodutivo em sistemas pastorais (declínio de 10% na precipitação esperada até 2050); poluição da água e polinização insuficiente para a nutrição (34 países da região já contam com ajuda alimentar externa); e segue realizando uma exploração excessiva de recursos petrolíferos que tem levado à deterioração da qualidade da água devido a vazamentos de petróleo.

A forma como as pessoas vivenciam as pressões planetárias está ligada à forma como as sociedades funcionam, diz Pedro Conceição, Diretor do Escritório de Relatório de Desenvolvimento Humano do PNUD e autor principal do relatório, e hoje, sociedades desfeitas estão colocando as pessoas e o planeta em rota de colisão.

Desigualdades dentro e entre países, com raízes profundas no colonialismo e racismo, significam que quem tem mais captura dos benefícios da natureza e exporta os custos, mostra o relatório. Este sistema bloqueia oportunidades para pessoas que têm menos. E a discriminação com base na etnia frequentemente deixa as comunidades gravemente afetadas e expostas a altos riscos ambientais, como lixo tóxico ou poluição excessiva, uma tendência que é reproduzida em áreas urbanas em todos os continentes.

 

A nova métrica

O PNUD argumenta que, conforme as pessoas e o planeta entram numa época geológica inteiramente nova, a Antropoceno ou a Era dos Humanos, é a hora de todos os países redesenharem os seus caminhos para o progresso. Para ilustrar esse ponto, a edição do 30º aniversário do Relatório de Desenvolvimento Humano, apresenta um novo índice experimental.

O PNUD ajustou o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que mede a saúde, a educação e os padrões de vida de uma nação, e incluiu mais dois elementos: as emissões de dióxido de carbono de um país e sua pegada material; o novo índice mostra como o cenário de desenvolvimento global mudaria se o bem-estar de as pessoas e também o planeta fossem fundamentais para definir o progresso da humanidade.

Com o IDH Ajustado às Pressões Planetárias - ou PHDI - um novo quadro global emerge, pintando uma avaliação menos otimista, mas mais clara do progresso humano. Por exemplo, mais de 50 países abandonam o grupo de desenvolvimento humano muito alto, refletindo sua dependência de combustíveis fósseis e pegada de material.

Possibilidades de ação

O relatório identifica três blocos de construção para criar mudanças reais e duradouras: trabalhar com - e não contra - a natureza, melhorar os incentivos e mudar as normas sociais. Sublinha ainda que aliviar as pressões planetárias de uma forma que permita que todas as pessoas floresçam em esta nova era requer o desmantelamento dos desequilíbrios grosseiros de poder e oportunidade que estão no caminho da transformação.

Segundo Tjark Engenhoff, Representante Residente do PNUD na Guiné-Bissau, “Para começar, é necessário entender que a natureza é uma aliada. Há um enorme potencial em ações que protegem, gerenciam de forma sustentável e restauram ecossistemas. Vejo a Guiné-Bissau com pleno potencial de se desenvolver em equilíbrio com o planeta: a gestão sustentável do lixo, fornecimento de energia renovável como placas solares e também o uso consciente dos recursos naturais, evitando desflorestamento em massa e poluição das águas podem beneficiar tanto o mundo natural quanto as comunidades locais e o setor privado”.

O relatório aponta que, apesar do papel central que os governos possuem para reverter as pressões planetárias, o setor privado e os cidadãos também devem ser atuantes.

Para saber mais sobre o relatório de Desenvolvimento Humano de 2020 e a análise do PNUD sobre o IDHajustado por pressões planetárias experimental, visite http://hdr.undp.org/en/2020-report

 

###

 

O PNUD é a principal organização das Nações Unidas que luta para acabar com a injustiça da pobreza, da desigualdade e da mudança do clima. Trabalhando com nossa ampla rede de especialistas e parceiros em 170 países, ajudamos as nações a construir soluções integradas e duradouras para as pessoas e o planeta. Saiba mais em undp.org ou siga em @UNDP.

 

Contatos de mídia:

Gabinete do Relatório de Desenvolvimento Humano | Anna Ortubia, Especialista em comunicação | anna.ortubia@undp.org

PNUD | Lesley Wright, Consultora de Mídia e Advocacia | lesley.wright@undp.org

 

Icon of SDG 01 Icon of SDG 02 Icon of SDG 03 Icon of SDG 04 Icon of SDG 05 Icon of SDG 08 Icon of SDG 09 Icon of SDG 10 Icon of SDG 16

PNUD PNUD no mundo

A

Afghanistan Afrique du sud Albanie Algérie Angola Arabie saoudite Argentine Arménie Azerbaïdjan

B

Bahreïn Bangladesh Barbade Bélarus Bélize Bénin Bhoutan Bolivie Bosnie-Herzégovine Botswana Brésil Bureau du Pacifique Burkina Faso Burundi

C

Cambodge Cameroun Cap-Vert Centrafrique (République centrafricaine) Chili Chine Chypre Colombie Comores Congo (République démocratique du) Congo (République du) Corée (République populaire démocratique de) Costa Rica Côte d'Ivoire Croatie Cuba

D

Djibouti

E

Egypte El Salvador Emirats arabes unis Equateur Erythrée Ethiopie

G

Gabon Gambie Géorgie Ghana Guatemala Guinée Guinée-Bissau Guinée équatoriale Guyane

H

Haïti Honduras

I

Ile Maurice et Seychelles Inde Indonésie Irak (République d') Iran

J

Jamaïque Jordanie

K

Kazakhstan Kenya Kirghizistan Kosovo (selon RCSNU 1244) Koweït

L

Laos Lesotho Liban Libéria Libye L’Ex-République yougoslave de Macédoine

M

Madagascar Malaisie Malawi Maldives Mali Maroc Mauritanie Mexique Moldova Mongolie Monténégro Mozambique Myanmar

N

Namibie Népal Nicaragua Niger Nigéria

O

Ouganda

P

Pakistan Panama Papouasie-Nouvelle-Guinée Paraguay Pérou Philippines Programme palestinien

R

République dominicaine Russie (Fédération de) Rwanda

S

Samoa São Tomé-et-Principe Sénégal Serbie Sierra Leone Somalie Soudan Soudan du Sud Sri Lanka Suriname Swaziland Syrie

T

Tadjikistan Tanzanie Tchad Thaïlande Timor-Leste Togo Trinité et Tobago Tunisie Turkménistan Turquie

U

Ukraine Uruguay Uzbekistan

V

Venezuela Viet Nam

Y

Yémen

Z

Zambie Zimbabwe